TURISMO GANHA ESPAÇO EM SALA DE AULA

Destinos brasileiros que incluíram a educação para o turismo como tópico do ensino formal

Por Geraldo Gurgel

A experiência de Salto (SP): escolas levam alunos para visitar atrativos locais enquanto aprendem sobre geografia, história e meio ambiente. Foto: Prefeitura de Salto SP/Divulgação

Como matéria curricular, tema transversal ou aula de campo, o ensino de Turismo ganha cada vez mais espaço nas escolas. Os destinos estão mais preocupados em preparar os moradores para receber bem os visitantes e criam iniciativas para sensibilizar estudantes sobre a importância do setor para a economia local.

A cidade de Salto (SP), por exemplo, aposta no turismo como tema das aulas de campo sobre ciências humanas e naturais. Somente neste ano, mais de 700 crianças do 5º ano do Ensino Fundamental já visitaram atrativos como a queda d` água Itu-Guaçu (Salto Grande) e o Memorial do Tietê para aprender geografia, história, meio ambiente e a importância da atividade turística para o município.

O diretor do Departamento de Turismo de Salto, José Roberto Orlandini, classifica o município como ‘uma grande sala de aula a céu aberto’. “São locais e paisagens diferenciadas que possibilitam diversas abordagens educativas e lúdicas em lugares aprazíveis tanto para o lazer dos visitantes quanto para a educação dos moradores”, destaca. Na avaliação do secretário municipal de Educação, José Carlos Grigoletto a educação para o turismo conecta o presente à história da cidade. “Desenvolvemos esse projeto para que as visitas, orientadas de um jeito simples e leve, sejam agregadoras do conhecimento aprendido em sala de aula”, explica.

Grigoletto ressaltou que a educação para o turismo no município é abordada como tema transversal de outras disciplinas, mas a inspiração foi a cidade de Gramado (RS). No município da Serra Gaúcha, pioneiro do Brasil na preparação dos moradores para receber bem os turistas, a disciplina sobre turismo já faz parte da grade curricular do ensino fundamental. Desde cedo, as crianças aprendem sobre a importância do turismo para a região de colonização europeia. O resultado desse trabalho, juntamente com a vizinha cidade de Canela, tem sido o fluxo constante de visitantes e o dinamismo da economia local.

O Turismo também virou matéria nas escolas do ensino fundamental da Costa Verde e Mar de Santa Catarina. A experiência começou em Porto Belo há 19 anos e agora será replicada para turmas do 5º ano do Ensino Fundamental de outros 10 municípios, como explica a técnica do consórcio de turismo dos municípios da região da foz do rio Itajaí, Vivian Floriani. “Sentimos os resultados na satisfação do visitante. Queremos formar cidadãos felizes com o turismo daqui”, disse.

Os professores da rede pública de ensino estão diretamente envolvidos na iniciativa. Até o fim do ano, eles realizam reuniões de trabalho para debater e construir a ementa da disciplina que começará a ser lecionada para 8 mil anos no próximo ano letivo. Ao todo, serão contemplados: Balneário Camboriú, Balneário Piçarras, Bombinhas, Camboriú, Ilhota, Itajaí, Itapema, Navegantes, Penha e Porto Belo. O turismo corresponde a 13% do PIB de Santa Catarina e somente na próxima temporada de verão o fluxo de turistas na região da Costa Verde e Mar deve alcançar os 3 milhões de visitantes em busca de praias, atrativos de lazer, belezas naturais, gastronomia típica, parques temáticos, manifestações culturais variadas e compras.

“Quem conhece bem o local onde vive, cuida melhor da natureza, dos atrativos históricos e culturais e recebe bem os visitantes, que fazem a economia do município girar com a atividade turística. Neste Dia do Professor, comemorado em 15 de outubro, é fundamental lembrar que não existe mundo melhor sem os nossos mestres”, finaliza o secretário nacional de Qualificação e Promoção do Turismo do Ministério do Turismo, Bob Santos.

Edição: Vanessa Sampaio