Oferta de voos domésticos tem nova alta superior ao período pré-pandemia

Data de Publicação: 28 de julho de 2022 20:25:00

Aeroportos brasileiros movimentaram mais de seis milhões de pessoas em viagens nacionais durante o mês de junho.


Indicadores do transporte aéreo no mês de junho superam resultados pré-pandemia. Crédito: divulgação Infraero

Números divulgados na última quarta-feira (27.07) pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) apontam a manutenção da tendência de recuperação do setor aéreo no Brasil. A oferta de voos no mercado doméstico registrou em junho a segunda alta consecutiva na comparação com o mesmo mês de 2019, período anterior à pandemia de Covid-19.

Após avançar 6% em maio na quantidade de viagens aéreas referente ao mesmo mês de 2019, o indicador cresceu 0,5% em junho na comparação com igual período de 2019. Já em relação a junho de 2021, o aumento é de 45,8%.

No sexto mês de 2022, aeroportos do país movimentaram mais de 6 milhões de pessoas em viagens nacionais, o melhor resultado para junho dos últimos três anos. O número é 43% superior ao da última medição (maio) e equivale a 86,8% do verificado em junho de 2019.

A demanda interna de passageiros no Brasil também apresentou elevação em relação a junho de 2021, atingindo um índice de 36,2%, embora ainda indique uma retração de 7,1% na comparação com o mesmo mês de 2019.

Já no mercado internacional, houve a circulação de 1,2 milhão de passageiros no país, a maior quantidade apurada desde fevereiro de 2020, antes da pandemia.

RECUPERAÇÃO - Os números referentes à aviação no Brasil reforçam as perspectivas de recuperação do turismo nacional. Durante os cinco primeiros meses deste ano, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice de Atividades Turísticas do país registrou um crescimento de 50,2% em relação ao mesmo período de 2021.

O percentual foi impulsionado principalmente pelos segmentos de transporte aéreo e rodoviário de passageiros, restaurantes, hotéis, locação de automóveis, e serviços de bufê. Regionalmente, todas as 11 Unidades da Federação avaliadas registraram altas no período, com destaque para Minas Gerais, Rio Grande do Sul, São Paulo, Bahia e Rio de Janeiro.

 

Por André Martins - Assessoria de Comunicação do Mtur