Festas juninas devem movimentar cerca de R$ 2 bilhões nos principais destinos do país


Somente festejos baianos devem render pelo menos R$ 1 bilhão para a economia. Campina Grande (PB) e Caruaru (PE) esperam juntas R$ 650 milhões.

Chegou o tão aguardado mês de junho e, com ele, as tradicionais festas juninas paralisadas há dois anos por conta da pandemia. A saudade dos forrozeiros em aproveitar este período deve movimentar a economia dos principais destinos juninos do país em cerca de R$ 2 bilhões, segundo levantamento realizado pelo Ministério do Turismo junto às gestões municipais e estaduais. Ainda de acordo com a Pasta, o mês de junho registrou 151 festas de norte a sul do País – sendo mais da metade em festejos juninos - no Calendário de Eventos, que auxilia o turista no momento de planejar suas viagens e escolher destinos com oferta turística diferenciada e diversificada.

Segundo o ministro do Turismo, Carlos Brito, os números só confirmam a vontade do brasileiro em voltar a prestigiar um dos mais importantes festejos populares do Brasil. “Foram longos dois anos de paralisação que nos trazem uma saudade em curtir esta tradição brasileira. Serão festas que proporcionarão não só a exposição da nossa cultura para o mundo, como também a movimentação econômica, gerando emprego e renda para os profissionais das quadrilhas, comerciantes, e trabalhadores do setor de turismo”, ressalta.

Somente no estado da Bahia, o governo espera que cerca de 1,5 milhão de pessoas passem pelas festas juninas, que movimentarão R$ 1 bilhão na economia. Em Campina Grande (PB) estima-se movimentação de R$ 400 milhões, hotéis lotados e agências de viagens, que têm comercializado os roteiros preparados especialmente para a festa, com crescimento superior à última edição. Em Caruaru (PE), a prefeitura estima R$ 250 milhões na economia. Já em Parintins (AM), a tradicional festa dos bois Garantido e Caprichoso espera circular R$ 100 milhões na economia local.

Em Corumbá (MS), o Banho de São João deve receber 40 mil pessoas nos dias 23 e 24 de junho. Além disso, a prefeitura local promoverá quatro noites de “Arraiá” no Porto Geral, com concurso de quadrilhas, de andores e atrações musicais, além de 100 barracas com comidas e bebidas típicas. O Forró Caju 2022, em Aracaju (SE), reunirá mais de 100 mil pessoas por noite na praça de eventos Hilton Lopes, no centro histórico da cidade. A Prefeitura de Aracaju também vai promover recepção aos turistas com o Circular Junino, além do Circuito Folclórico Sergipano e do Fórum do Forró, que compõem a programação do Forró Caju 2022.

Trazidas ao Brasil pelos europeus no período colonial, as festas em homenagem aos santos Antônio, Pedro e João, realizadas no mês de junho, tornaram-se ícones da cultura nordestina, integrando a produção de comidas típicas, tradições religiosas e as danças embaladas pelo ritmo do forró. A riqueza cultural do evento é um dos fatores que levam os turistas a se renderem à festa que impulsionam a economia da região.

Por Victor Maciel - Assessoria de Comunicação Mtur